NEV e USP Mulheres estudam o preparo das guardas municipais no atendimento à violência contra a mulher

No último dia 21 de abril, o projeto de pesquisa “Segurança pública nos municípios: o papel das guardas municipais na prevenção da violência contra a mulher”, apresentado pelo coordenador do Núcleo de Estudos da Violência (NEV) da USP e professor do Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH-USP), Marcos César Alvarez, foi um dos selecionados pelo Edital 01/2020-2021 do Programa Santander de Políticas Públicas. A chamada é parte do Programa USP Municípios, uma iniciativa sob responsabilidade da Pró-Reitoria de Graduação voltada à formulação de políticas junto aos municípios paulistas. Cada uma das propostas selecionadas receberá até R$15 mil para custeio da pesquisa e até cinco bolsas para alunos de graduação.

A pesquisa mapeará a existência e a estrutura das guardas municipais e demais equipamentos públicos (delegacias da Polícia Civil, delegacias da mulher e batalhões e companhias da Polícia Militar) no estado de São Paulo, observando se possuem ações específicas para a defesa e promoção dos direitos das mulheres. A partir desse levantamento, serão selecionados três municípios (sendo um do litoral) para entrevistas em profundidade com gestores e atores da sociedade civil local. Os resultados do estudo compreensivo serão debatidos em workshops promovidos nas localidades estudadas e, também, na USP. O projeto prevê o início das atividades neste mês de maio, com a seleção de bolsistas, e o término em dezembro deste ano. Além do coordenador, compõem a equipe da pesquisa por parte do NEV os sociólogos Débora Piccirillo, Leonardo Ostronoff e Marina Amêndola Pinheiro, e, representando o Escritório USP Mulheres, o sociólogo Rodrigo Correia do Amaral.

Com a nova pesquisa, o NEV pretende retomar a agenda de estudos sobre a violência de gênero. Segundo Alvarez, o projeto representa um esforço para atualizar a investigação do tema no âmbito das violações dos direitos humanos, já estudadas pelo Núcleo. Para a elaboração da proposta, o Núcleo contou com a parceria do Escritório USP Mulheres, órgão da Reitoria coordenado pela professora e atual diretora da FFLCH-USP, Maria Arminda do Nascimento Arruda. De acordo com ela, o USP Mulheres começou a buscar, no final de 2019, diálogos com os órgãos da administração e núcleos de pesquisa da USP, com o intuito de projetar estudos que possam colocar em perspectiva as múltiplas realidades das mulheres na Universidade e na sociedade, subsidiando o debate de políticas para esta população. Nessa perspectiva, o NEV e o USP Mulheres chegaram ao projeto, submetido em março ao Programa Santander de Políticas Públicas.

O Escritório USP Mulheres já havia realizado, em 2017, a pesquisa Interações na USP, sob a coordenação do professor Gustavo Venturi, também do Departamento de Sociologia da FFLCH-USP, que investigou a percepção dos estudantes sobre a qualidade das interações mantidas entre si, com os docentes e servidores não-docentes da Universidade. Agora, junto com o NEV, o Escritório USP Mulheres continua a lançar luz sobre a temática da violência de gênero, especialmente neste momento em que o mundo assiste a um aumento nos casos de violência doméstica, como um dos efeitos do isolamento social adotado em vários países para o enfrentamento da COVID-19.